O Tantra é não-verbal, através dele o praticante adquire uma nova inteligência e tem contato com emoções relacionadas a um maravilhoso estado de confiança e liberdade, é inundado por um senso de profunda conexão com a vida. Falar de Tantra é falar da própria intimidade, é expressar as suas verdades, reconhecer suas reais necessidades, falar do seu propósito de Alma, daquilo que você veio fazer nesse planeta e de tudo o que você precisa transformar em amor. Agora, viver o Tantra é mais profundo, tem mais raiz. Quando a Kundaliní acorda, o verbo cala e a carne vibra.
A base do trabalho tântrico é a Energia Criativa da Vida, conhecida como Kundaliní. A Kundaliní é o tecido energético que permeia e une todas as coisas e possui muitas representações simbólicas em muito estudos conceituados. Nesta apresentação, trataremos apenas de sua característica sutil.
Vivemos imersos nela e respiramos nessa energia vital, de natureza física e energética, e no corpo humano, assume uma característica neurológica e sexual, que trata da organização e sustentação molecular, responsável pela reprodução das células e sobrevivência delas. Essa energia é autoconsciente, magnética e auto-reguladora.
No Tantra tudo é energia, o Universo nunca nasceu e nunca morreu. A existência em si é o resultado de um imenso e infinito estado de amor. Um Grande Orgasmo Cósmico. Um orgasmo contínuo, que quanto mais se expande mais cria, mais vive, mesmo morrendo a cada explosão estelar, a cada mistura de gazes, a cada interação celular, para se recriar outra e outra vez. Uma energia impregnada do Amor da Criação. E essa sabedoria intrínseca do Universo está disponível a todos os seres, indistintamente. Todos são capazes de compreendê-la e senti-la em seu coração. Cada ser busca em seu interior esse estado de integração e de fusão dentro da Grande Experiência Oceânica.
A percepção, o relacionamento e a integração com essa fonte de energia e sabedoria, tem um efeito libertador sobre a psique, e a essência daquilo que somos passa a ser sentida e vivida com mais cores e nuances, algo dentro de nós sabe e sente que não necessita mais submeter-se aos jogos de poder e controle das políticas e religiões do mundo. Uma relação mais íntima com a Kundaliní aumenta nossa vitalidade nos planos físico, mental, emocional e intelectual, favorecendo o processo de Supraconsciência, cuja comunicação não verbal tem uma natureza divina não religiosa, não dogmática e existencialista, sendo amorosa e inclusiva.


[Texto de Layo Deva, originalmente escrito para o Site Consciência Rúnica]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *